18/02/2020

Sobre

Projeto Lua

O Projeto Lua foi fundado em 2019 por alunas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) Campus Tianguá. Acreditamos que um dia é possível haver igualdade entre os gêneros na área da tecnologia. Para isso, o Projeto Lua visa ações – como palestras, grupos de estudo, oficinas e etc – onde meninas e mulheres possam encontrar conforto, ajuda e motivação para ingressar e permanecer nos cursos e profissões da área da tecnologia.

Para contextualizar melhor o problema que o projeto visa combater, lhe convidamos a ler os dados abaixo.

Mulheres na Ciência e Tecnologia

O relatório Women In Tech Report 2019 realizado pelo HackerRank aponta que a nova geração de mulheres – chamada de Geração Z e composta por mulheres com menos de 22 anos – estão aprendendo a codificar mais jovens que as gerações anteriores. Cerca de uma a cada três mulheres com menos de 22 anos aprenderam a codificar antes dos 16 anos. Além disso, as mulheres da Geração Z estão mais preparadas para o mercado de trabalho da área da tecnologia, pois possuem conhecimento das três principais linguagens de programação procuradas pelas empresas: JavaScript, Java e Python.

Também em 2019, uma pesquisa Women In Technology: Time for Action, aponta que 34% das mulheres entrevistadas acreditam que o cenário da tecnologia melhorou em relação às mulheres, enquanto 50% informaram que o ambiente continua o mesmo e 16% informaram que o ambiente piorou. Além disso, as participantes estimaram que 28% dos seus departamentos de TI é composto por mulheres, o que indica um crescimento de 26% em comparação com 2018. Em 2018, apenas 21% das lideranças da área de TI eram mulheres, já em 2019, houve um crescimento para 26%. Dados também indicam que a presença da mulher em empresas tecnológicas só traz benefícios. De acordo com uma pesquisa publicada pelo Women In Tech Council, a inclusão de mulheres em uma empresa resulta em um crescimento na inteligencia coletiva, e, se as lideranças femininas somarem 30%, o lucro das empresas cresce em 15%.

Apesar disso, de acordo com a pesquisa Women In Technology Survey 2019 em 2019 as mulheres ocupavam apenas 17% das profissões da área da tecnologia e recebiam cerca de 28% a menos que seus colegas homens, mesmo exercendo as mesmas funções. Essa diferença salarial era comum na maior parte das empresas: Cerca de 78% das grandes organizações possuíam diferenças salariais entre os gêneros, enquanto 14% mostravam uma diferença salarial mediana, e somente 8% não mostravam diferença no valor dos salários. Devido a esse cenário de disparidade de gênero, o índice de desistência feminina no mercado de trabalho da área da tecnologia era 47%, mais que o dobro do índice de desistência masculina, que somava apenas 17%. No cenário nacional, também há essa diferença: segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) divulgada em 2016, apenas 20% dos mais de 580 mil profissionais da área de TI que atuam no Brasil são mulheres.

A pequena participação da mulher na área da tecnologia tem sido comum nos últimos anos. O relatório Women In Tech: The Facts publicado em 2016 pelo National Center of Women Information & Technology (NCWIT) aponta que entre os anos de 1980 até 2010, cerca de 88% das patentes da área da tecnologia foram criadas por equipes compostas somente por membros do sexo masculino, enquanto apenas 2% foram criadas por equipes compostas somente por membros do sexo feminino.

A solução para o problema da diferença de gênero na área da tecnologia é amplamente debatido atualmente. Cerca de 31% das mulheres entrevistadas na Women In Technology Survey apontaram que as escolas precisam começar a ensinar tecnologia para as mulheres. Já as mulheres entrevistadas na Women In Technology: Time for Action, apontaram algumas ações que podem aumentar o número de mulheres na tecnologia: encorajar estudantes a explorar a tecnologia tanto no ensino fundamental e médio quanto no superior, promover carreiras alternativas que não exijam especializações, e promover diversidade e inclusão para mulheres nesse cenário.

Mulheres no curso de Computação do IFCE Campus Tianguá

De acordo com o site IFCE Em Números, os alunos matriculados hoje no curso Bacharelado em Ciência da Computação (BCC) no IFCE Campus Tianguá são em sua maioria do gênero masculino. A turma de 2016.2 foi a primeira turma matriculada no curso de BCC do IFCE Campus Tianguá. 

Ao somar o número de discentes desde o início do curso até o período de 2020.1, pode-se observar essa enorme diferença: de 169 alunos matriculados, somente 34 são mulheres!

0
Alunos
0
Homens
0
Mulheres

Ao todo, no curso, os discentes do gênero masculino somam 81,41%, enquanto do gênero feminino somam 18.59%.

Homens 81.41%
Mulheres 18.59%

Ou seja, o baixo índice de mulheres em cursos da área de T.I. também afeta o BCC no IFCE Campus Tianguá. Assim, o Projeto Lua é focado em auxiliar as mulheres nesse cenário.

Projeto Lua : Premiações e Análises

Premiações destacam a importância e relevância do Projeto Lua. Confira algumas das premiações do projeto abaixo.

ifce logo

Melhor trabalho Científico

Em 2019, o IFCE Campus Tianguá avaliou o Projeto Lua como o melhor trabalho Científico do Curso Bacharelado em Ciência da Computação, durante o Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica do IFCE.

Postagens Relacionadas

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support